O impacto da web nas vendas do varejo brasileiro

As vendas do comércio eletrônico no Brasil medidas pelo IBGE, em relação ao varejo restrito, representaram 3,3%* das vendas totais em 2015 no país. Esses números mostram que ainda há um grande mercado a ser alcançado pelo comércio web e, mesmo com todo contexto econômico atual, as vendas nesse segmento continuam a crescer.

Uma pesquisa recente da Forrester, compilada pelo Google em 2016, revelou que em 5 anos a expectativa é de que o comércio online no Brasil dobre sua participação no varejo. Isso devido a alguns fatores como melhoria do PIB, crescimento de diversas categorias de produtos e consumidores mais maduros para compras online.

Alguns fatores irão ajudar na aceleração do e-commerce

Algumas tendências devem ter alto impacto no varejo brasileiro nos próximos anos. Abaixo falamos sobre elas.

Crescimento de Categorias

Os consumidores passarão a comprar outras categorias de produtos com mais frequência, como alimentos, roupas e produtos de beleza.

Mobile

Uma maior penetração de dispositivos móveis impulsionará investimentos em iniciativas com foco em mobile.

Marketplaces

Marketplaces irão se tornar um canal cada vez mais importante para os varejistas e marcas.

Inteligência do Consumidor

Consumidores mais informados e varejistas com cada vez mais foco em entender as  motivações, comportamentos e afinidades de seus consumidores.

Integração Online/Offline

Maior investimento na construção de iniciativas omnichannel (multicanal) e loja online para aumento de competitividade.

O e-commerce dobrará sua participação no varejo em 2021

Devido às tendências e fatores apresentados nesse post, a expectativa é que o e-commerce brasileiro dobre sua participação no varejo até 2021 e atinja quase R$ 85 bilhões de faturamento.

O e-commerce vai dobrar sua participação no varejo em 2021

Nosso e-commerce está no caminho da 4ª fase do consumo online, em que países como EUA, China e Japão já se encontram. Nesse estágio as compras já são mais frequentes e há uma grande variedade de categorias de produtos sendo consumidas pela internet.

Nosso e-commerce está no caminho para a 4a fase

M-commerce

O m-commerce deve acelerar o comércio eletrônico nos próximos anos. Hoje um terço dos usuários só podem ser alcançados via dispositivos móveis. Segundo dados do Similarweb, mais de 35% do tráfego dos principais varejistas, como Submarino, Mercado Livre e Americanas já vem desses dispositivos.

O m-commerce deve acelerar o comércio eletrônico nos próximos anos

A evolução dos compradores online

A proporção de internautas irá saltar de 60% para 71% da população entre 2016 e 2021. A expectativa é que mais de 27 milhões de pessoas façam sua primeira compra online.

A proporção de internautas irá saltar de 60% para 71% da população entre 2016 e 2021

A maior participação de consumidores com alto poder aquisitivo e experiência em compras virtuais são fatores que irão contribuir para o aumento do tíquete médio. Pessoas de 25-44 anos são as mais propensas a comprar online pelo menos uma vez ao mês.

Percentual de consumidores de e-commerce por classe

O impacto da web no varejo

É importante dar atenção à grande influência que a web gera sobre as vendas que ocorrem offline, como é o caso daquelas compras em que o consumidor pesquisa online, mas adquire o produto na loja física. A pesquisa vai desde procurar a localização de uma loja até mesmo decidir sobre a marca ou produto que deseja comprar.

Seja online ou offline está claro que precisamos focar no cliente. O omnichannel é uma tendência do varejo e precisamos satisfazer necessidades do consumidor onde e quando ele desejar, no momento mais confortável, sem restrições de local, horário ou meio. Consumidores brasileiros omnichannel gastam até 40% mais do que outros.

No Brasil, até 2021 o impacto da web nas vendas (on e off) do varejo restrito deve crescer mais de 55%.

No Brasil até 2021 o impacto da web nas vendas (on e off) do varejo restrito deve crescer mais de 55%

 

E-commerce e varejo no Brasil

O e-commerce deve dobrar sua participação no varejo restrito até 2021, crescendo em média 12,4% ao ano. Paralelamente, o amadurecimento dos e-shoppers fará com que haja mais ampliação nas categorias de venda.

Até o final de 2016, 19% das vendas do e-commerce deverão ocorrer em dispositivos móveis e daqui a cinco anos, em 2021, essa participação será de 41%. Hoje, 30% dos internautas só podem ser alcançados através do mobile, já que não acessam a internet através de outros dispositivos e isso aponta para uma nova maneira de estar presente para esses consumidores.

Nos próximos anos, mais 27 milhões de pessoas irão fazer sua primeira compra online, o que equivale a um total de 67,4 milhões de indivíduos e esse número irá representar 44% dos internautas. Dessa forma, até 2021, o impacto da web no varejo restrito deve crescer mais de 55%, chegando a 42%* de todas as vendas ou, em número reais, R$ 365 bilhões.

Além disso, temos que ter em mente que consumidores multicanal gastam até 40% a mais e são mais fiéis se comparado aqueles que fazem compras apenas em um canal. É importante fazer com que sua loja virtual consiga atender esses dois públicos.

Para saber mais sobre tendências, dicas e novidades acerca de comércio eletrônico, assine nossa newsletter. Você acompanhará nossos posts e se manterá atualizado no assunto.

*Fonte: eBit / Forrester Research Online Retail Forecast 2016-2021 (Brazil) / Google

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *